terça-feira, 19 de junho de 2018

RETALHOS HISTÓRICOS - TURQUIA


No princípio era tudo escuridão e vazio. Então Deus resolveu criar a luz. Fez as estrelas que cintilam, e o Sol, e a Lua que brilha à noite. Fez o dia e a noite, o mar e a terra…

O DILÚVIO


ERA UMA VEZ…
Noé era um homem bom. Mas os homens e as mulheres que viviam no tempo de Noé faziam muitas maldades. Deus estava arrependido de os ter criado, e resolveu castiga-los. As únicas pessoas que pouparia seriam Noé e a família.
Deus disse a Noé para construir um barco enorme, chamado “arca”. O barco devia ter três andares suficientemente espaçosos para nele caberem não apenas Noé e a família, mas pelo menos um casal de cada espécie de animais.
Noé fez o que Deus lhe disse. E Deus fechou a porta da arca. Depois mandou chover. Choveu durante 40 dias e 40 noites e toda a terra ficou alagada. Quando a chuva parou, a água tinha subido mais alto que as montanhas. E toda a gente se tinha afogado.
Devagarinho, as águas começaram a baixar e a escoar-se. E, a dado momento, a arca encalhou no cimo de uma montanha chamada Ararat. Noé não sabia se podia ou não sair da arca, sem perigo. Abriu um postigo e soltou uma pomba. Da primeira vez, a pomba não encontrou árvores onde pousar, e por isso voltou à arca. Sete dias depois, Noé soltou-a de novo. Desta vez ela voltou com um raminho verde de oliveira no bico. Noé compreendeu então que a terra estava enxuta. Esperou outros sete dias, e soltou a pomba pela terceira vez. Agora ela já não voltou.
Noé disse a todos; “Vamos desembarcar.” Animais e pessoas deixaram a arca, ansiosamente. Deus abençoou Noé e a família. Disse-lhes que cuidassem uns dos outros, que não brigassem nem se matassem. Disse também que queria fazer uma aliança com os homens e por causa disso nunca mais voltaria a inundar a Terra. Nesse momento Noé ergueu os olhos e viu um lindo arco-íris estendido pelo céu. Deus disse: “Este é o sinal da minha aliança com todos os homens.”

DISSERTANDO…

A temática mitológica do dilúvio é generalizada entre muitas culturas em redor do Mundo porquanto, a água é descrita como uma medida ou purificação da humanidade.
Muitos povos relatam inundações diversas. Qual a primeira e verídica?!...
- Malásia - Na floresta tropical de Chewong conta-se que os nativos acreditavam que o Mundo em que viviam se virava de cabeça para baixo e que tudo era inundado e destruído. Só o criador Tohan poderia evitar tal catástrofe.  
- Laos e Tailândia - Relata-se que os povos denominados de Thens viviam há muito tempo no alto do reino, enquanto os senhores do baixo mundo, que eram três grandes homens, Pu Leng Seung, Khun K´na e Khum K´et, viviam na parte rasa. Os Then zangados com os três grandes homens provocaram um dilúvio. Com a construção de uma grande jangada, os senhores do baixo mundo salvaram-se.
- Grécia - Deucalião, avisado por Prometeu, construiu uma caixa de madeira, encheu-a de “tudo o que era necessário” e entrou nela com Pirra. O rei dos deuses (Zeus), despejou dos céus chuvas torrenciais, inundando a maior parte da terra. Deucalião e Pirra flutuaram nessa caixa durante nove dias e nove noites e chegaram finalmente ao monte Parnaso. O tal dilúvio da Atlântida!...E aqui, na Grécia, conta-se com outro dilúvio, quando Poseidon levantou as águas do Mar Egeu e inundou a planície de Elêusis e Atenas, por um longo período.
- Egipto - As tradições egípcias referem uma outra grande inundação. Um texto funerário descoberto na tumba do Faraó Seti I conta a destruição da humanidade pecadora feita por um dilúvio. O dilúvio de Sangue contado pelos egípcios também se baseava no julgamento pela iniquidade, da mesma forma como foi o dilúvio narrado pelos mitos chineses, que Yu decidiu acalmar.
- Índia - Há mais de três mil anos um sábio chamado Manu salvou um peixe, mal ele sabendo tratar-se do deus Vichnu. Vichnu, agradecido a Manu, avisou-o do dilúvio que estava para acontecer e, assim, enviou-lhe um grande navio. Logo após o carregamento do navio com animais e plantas, o oceano subiu e submergiu tudo, ficando o navio à tona da água até baixar de vez.
- Perú - Virachoa, dos mitos peruanos, insatisfeito com os gigantes, destruiu-os com um dilúvio, à semelhança dos 4 versículos iniciais de Génesis.
A hipótese literal de um dilúvio mundial, como descrito em Génesis, é incompatível com a compreensão moderna da história natural, especialmente a geologia e a paleontologia.
Com algum fundamento científico põe-se a hipótese no aumento do nível do mar após o fim da era do gelo e, numa outra versão, refere-se que um meteoro ou, cometa, tivesse caído no oceano Índico por volta de 3.000 a 2.800 A.C., entre outras!

ARARATE



Ararate é a montanha mais alta da Turquia com dois picos, o Grande Ararate com 5.137 m, e o Baixo Ararate com 3.896 m.
A montanha Ararate na tradição judaico-cristã, está associado com as “Montanhas do Ararate”, onde segundo o Livro de Génesis, a Arca de Noé estaria supostamente localizada.
Esta montanha é reverenciada pelos arménios como um símbolo da sua identidade nacional desde 1991, sendo apresentado no centro o seu brasão de armas. 

TURQUIA – PANORAMA HISTÓRICO



Ruínas de Göbekli Tepe - Sítio arqueológico, local de culto, construído por caçadores-colectores no décimo milénio A.C., antes do advento do sedentarismo. Revolucionou o conhecimento do neolítico e as teorias sobre o início da civilização. 
Cidade de Tróia - Situada em Hisarlik, na Anatólia. Uma nova cidade foi fundada no sítio no reinado do imperador romano Augusto. Floresceu até o estabelecimento de Constantinopla, e declinou
gradualmente durante os tempos bizantinos
Templo Ártemis - Uma das sete maravilhas da antiguidade. Construído em 550 A.C., por construtores gregos e lídios. Foi destruído em 356 A.C. por Heróstrato e em 262 pelos Godos. Situa-se em Selçuk.

Mausoléu Halicarnasso  - Uma das sete maravilhas da antiguidade. Construído em 351 A.C., por construtores gregos e persas. Foi destruído nos séculos XII e XV com sismos. Situa-se em Bodrum.
  Biblioteca de Celso - Edifício romano situado em Êfeso. Foi construído em homenagem ao senador romano Tibério Júlio Celso Polemeano em 110 D.C. A biblioteca foi construída para armazenar 12.000 rolos, e para servir como mausoléu para Celso. 

Basílica Santa Sofia – Construída em 532 D.C. pelo Império Bizantino para ser a Catedral de Constantinopla. 
Foi a maior catedral do Mundo durante mil anos, até que a catedral de Sevilha fosse completada em 1520. 
Construída por ordem do imperador Justiniano I Em 1453, Constantinopla foi conquistada pelo império Otomano sob o Sultão Maomé II, o Conquistador, que ordenou que o edifício fosse convertido numa mesquita.
Mesquita Azul - Mesquita Otomana. Construída entre 1609 e 1616. Única mesquita de Istambul que possui seis minaretes. O Sultão Amade quis construir uma mesquita maior, mais imponente e mais bonita que a igreja de Santa Sofia.
PAMUKKALE - Castelo de Algodão - Piscinas termais de origem calcária. A formação do Pamukkale deve-se aos locais térmicos quentes por baixo do monte que provocam o derrame de carbono de cálcio, que depois solidifica como mármore travertino. 


CHAMINÉS DE FADAS


Recolha de informação: Children´s Bible e diversos artigos.
Do Amigo


terça-feira, 5 de junho de 2018

JOÃO GOUVEIA



A história da aviação é feita de heróis, visionários, inventores e sonhadores mas nem todos vêem o seu nome reconhecido quer porque caíram e levantaram-se vezes sem conta até acertarem quer porque falharam estrondosamente. Sim, porque é sabido que por cada um que é bem sucedido há centenas que falham mas todos eles pertencem à rija estirpe dos gloriosos visionários que fazem o mundo avançar.
João Gouveia foi um desses heróis esquecidos. Nascido na Madeira em 1880 cedo começou a interessar-se por poesia mas ao chegar à idade adulta largou tudo para se dedicar à aviação e ao projecto da sua vida, o Aeroplano Gouveia.
Durante anos a fio fez experiências com aparelhos em escala reduzida que ia montando e reconstruindo laboriosamente de acordo com o pouco que então se sabia sobre aerodinâmica e outros princípios básicos da aviação. O modelo foi evoluindo e quando João Gouveia achou que o conceito já estava maduro foi à procura de um financiamento para construir o seu aparelho, mas a missão revelou-se bem difícil num país que vivia cronicamente à beira da bancarrota até que em 1910 o Ministério da Guerra resolveu dar uma ajuda.


A construção começou mas logo depois começaram os problemas devido à falta de técnicos experientes e mão de obra qualificada, facto que levou a atrasos sucessivos que iam fazendo perder a paciência aos apoiantes do projecto.
Finalmente o Aeroplano Gouveia ficou pronto em 1912 e passou-se então à grande aventura, fazê-lo voar. Seria o primeiro avião português, ainda por cima pilotado por um português, mas as coisas não correram bem. Durante a corrida de descolagem e à medida que o aparelho ganhava velocidade a estrutura começou a desintegrar-se e o Aeroplano não chegou a elevar-se um palmo que fosse acima do nível do solo. Desfeito o avião desfizeram-se também os sonhos de João Gouveia que sempre acreditou no seu projecto culpando os pedregulhos, buracos e arbustos da "pista" de descolagem pelos danos que causaram à estrutura do seu Aeroplano.

Obrigado, João Gouveia.
As fotografias são da Ilustração Portugueza, ano de 1909

Por especial deferência de
O Aviador

terça-feira, 22 de maio de 2018

BA2 OTA - GUIA DO RECRUTA


1º -"O militar deve regular o seu procedimento pelos ditames da virtude e da honra, amar a Pátria, guardar e fazer guardar a Constituição Política em vigor e mais leis da Republica."
2º - Amar a Arma a que pertence .
3º - Ser rigorosamente pontual.
4º - Apresentar-se em impecável estado do limpeza devidamente uniformizado.
5º - Manter-se perfeitamente barbeado e usar o cabelo devidamente curto.
6º - Por o máximo interesse na instrução e dedicar-se inteiramente ao serviço.
7º - Acatar com devido respeito as indicações e as ordens dos seus superiores.
8º - Marchar com garbo e desenvoltura.


Esquadra de Instrução de Recrutas
Guia do Recruta

1. PREÂMBULO
As informações, directivas e instruções que se seguem têm por finalidade auxiliar e guiar os Recrutas, futuros especialistas da Força Aérea, fornecendo-lhes os meios de se adaptarem rapidamente ás normas e regulamentos militares, e a conhecerem a Unidade a que pertencem.
As qualidades indispensáveis a um bom Soldado - espírito de obediência, de disciplina, de boa educação moral e militar e serão permanentemente estimuladas e, aliadas aos bons hábitos que simultaneamente  irão adquirindo, influenciarão beneficamente toda a sua vida futura.

2 * A BASE (Consulta o ANEXO  A )
a) LOCALIZAÇÃO
A cerca de 7(sete) Kms de Alenquer.

b) ALOJAMENTOS
Os Soldados Alunos serão distribuídos pelas 1ª, 2ª e 3ª  Esquadrilhas.
c) REFEITÓRIOS
O horário das refeições, procedimentos e distribuição dos Recrutas nos refeitórios, encontram-se afixados nas Esquadrilhas.
d) BALNEÁRIOS
Serão utilizados de acordo com os horários afixados nas Esquadrilhas. Esses horários só poderão ser alterados por ordem das seguintes entidades:
(1) - COMANDANTE DA E.I,R.
(2) - COMANDANTE DA FORMAÇÃO DA E.I.R.
(3) - COMANDANTES DAS ESQUADRILHAS
(4) - OFICIAL DE TREINO FÍSICO MILITAR

e) BARBEARIA DAS PRAÇAS
Funciona das 8H30 ás 18H30,com intervalo de uma hora para a  refeição(12H00/13H00).
O serviço é gratuito.
f) LAVANDARIA
Pode ser utilizada mediante o pagamento mensal de Esc. 10$00, que serão descontados no vencimento.
Os interessados devem, para o efeito, contactar com a respectiva encarregada 
g) CANTINA
É o órgão abastecedor de géneros, perfumarias, artigos de higiene, de limpeza e utilitários e ainda de combustíveis e lubrificantes aos proprietários de veículos motorizados, autoriza dos a abastecer-se de gasolina e óleos.
h) CAPELA
O Serviço Religioso funciona na Capela da Base, segundo o horário seguinte:
1 - Terço o Bênção - Diariamente a partir das 17H00;
2 - Confissões - Aos Domingos das 8H30 às 9H30 e das 10H00 às 10H30.

3 - Missas - Aos Domingos e dias Santos às 9H00 e às 10H30 - Às 2ªs. e às 5ªs às 17H15

O Capelão da Base, está diariamente à disposição do pessoal que necessite dos seus conselhos e apoio moral ou religioso. O seu gabinete fica situado no edifício do Comando da Esquadra de Pessoal, onde se encontra afixado o horário respeitante a esta assistência.
i) CINEMA
Funciona no edifício do ginásio  três vezes por semana.(Normalmente às 3ªs., 5ªs e sábados)
O preço do bilhete é de 2$50.
j) BAR DOS ALUNOS ESPECIALISTAS
Dispõe do serviço de bar e tabacos, salas do bilhar e outros jogos, sala de leitura e televisão.
k) ESTAÇÃO DOS C.T.T.
Assegura as comunicações possais, telegráficas e telefónicas da Unidade e , complementarmente assegura as necessidades privadas do pessoal.
l) ENFERMARIA
Mantém serviço permanente com: Revista de saúde, curativos e a utilização do Posto Anti-Venéreo
m) INSTALAÇÕES DE COMANDO DA E.I.R.
É onde funcionam os Orgãos de Comando da Esquadra e da Formação.
Neste edifício estão instalados o Comando da Base e os principais órgãos de Administração
(O Gabinete do Oficial de Dia á Base está situado no rés-do-chão, topo Sul)
n) AERÓDROMO
É a Zona Operacional da Base pelo que a circulação de pessoas e viaturas á restrita.
o) ZONAS RESIDENCIAIS
É expressamente proibida a permanência ou trânsito de praças e civis, sem motivo justificado, nos dois bairros existentes:
1. - BAIRRO DE OFICIAIS
2. - BAIRRO DE SARGENTOS
p) RESTANTES ÁREAS E INSTALAÇÕES
A Base abrange uma grande área e dispõe de numerosas e indispensáveis infraestruturas, que os Recrutas irão conhecendo progressivamente.
3.COMPOSTURA E UNIFORMES
a. COMPOSTURA
A farda da Força Aérea constitui para quem a enverga, uma honra que nem a todos é concedida .
Por essa razão todo o militar deve manter apresentação impecável e uma conduta, tanto no âmbito militar como nas suas relações com a população civil, que o ponha ao abrigo de qualquer critica desprimorosa.
b. UNIFORMES
(1) - DE PASSEIO:
- BARRETE DE BIVAQUE
- BLUSÃO Nº.1
- CAMISA AZUL COM GRAVATA
- CALÇAS DE COTIM
- BOTAS DE CANO AFIVELADO
( 2) - DE INSTRUÇÃO:
- BARRETE DE ZUARTE
- FATO DE TRABALHO
- CAMISA AZUL
- BOTAS DE CANO AFIVELADO
(3) - DE GINÁSTICA E DESPORTOS:
- CAMISOLA DE GINÁSTICA 
- CALÇÃO DE GINÁSTICA
- SAPATOS DE GINÁSTICA
(4) - CAPOTE:
O capote, dentro do Aquartelamento, só será usado como medida geral, indicada pelo respectivo toque. Exceptuam-se os casos de militares que, por motivos de saúde, sejam pelo médico autorizados a usá-lo
4.APRESENTAÇÕES: 
a. - A apresentação dos Recrutas é feita com o uniforme do passeio, nos seguintes casos:
(1)- Após o cumprimento de penas disciplinares(DETENÇÃO E PRISÃO) ou ao terminar a ausência Ilegítima.
(2)- Licença e diligencia de duração superior a 24 horas.
(3)- Dispensa nos terços do artº. 183 do  R.G.S.E.(FALECIMENTO DE PARENTES 
PRÓXIMOS).
(4)- Alta do Hospital
(5)- Doente no Domicílio.
b. - A apresentação será feita com o uniforme usado na Instrução nos seguintes casos;
- ALTA DA ENFERMARIA
- APÓS A CONVALESCENÇA
Todas estas apresentações são feitas ao Comandante da respectiva Esquadrilha , Oficiais e Sargentos da Formação e Oficiais e Sargentos da Secção.
5. PROCEDIMENTO A SEGUIR PELA PRAÇA QUE ADOEÇA NO DOMICÍLIO EVENTUAL 
a. O domicílio das praças é o Quartel.
b. Designa-se por DOMICILIO EVENTUAL o local onde qualquer praça goze as suas dispensas ou licenças.
c. Sempre que qualquer praça adoeça no domicílio eventual e não perigue a sua saúde, deve apresentar-se na Base, ao Oficial de Dia, ou no Hospital Militar mais próximo.
d. Quando qualquer praça, nas condições do número anterior, se apresente ao Oficial de Dia á Base, devo este providenciar para que essa mesma praça seja observada pelo médico de serviço.
e. Se o doente não puder cumprir o determinado em c., comunicará telefónicamente ao Oficial de Dia à Base, que está impossibilitado de se apresentar na Unidade, indicando o local (rua,
numero da porta e andar) de forma que possa ser localizado, e enviará à Secretaria da Base uma comunicação escrita informando que está doente (rua, número da porta e andar).
f. No caso do militar doente não ter baixado ao Hospital Militar mais próximo ou de não se ter apresentado na Base por a sua saúde perigar, deve o referido militar, enviar à Secretaria uma declaração, comunicando que o militar doente não pode deslocar-se para a sua Unidade ou para o Hospital Militar por a sua saúde perigar
g. Quando o militar deixar o domicilio eventual e se apresentar na BA2 deve ser portador de um atestado médico, devidamente reconhecido e do qual conste a data do fim da doença, transitando pelo Posto de Socorros da BA2 a fim de ser observado pelo médico de serviço e receber o título de alta que lhe é entregue naquele Posto de Socorros.
h. No caso da doença se  prolongar para além de quatro(4) dias são sempre necessários os atestados médicos referidos em f. e g. um atestado até ao terceiro dia de doença e outro relativo aos restantes dias que o militar permaneça doente no domicilio eventual.
i. A presente determinação substitui todas as determinações e esclarecimentos anteriores, publicados em O.S. e procura evitar que as praças se coloquem na situação de AUSÊNCIA que não poderá dispensá-los  de punição nos termos da determinação IV da O.A nº. 9 - 1ª série de 30Mai59 (Pág.500);
j. Recomenda-se aos interessados que solicitem do médico assistente declaração de que não se apresentaram na Base ou no Hospital Militar mais próximo, por sua saúde perigar.
Sem esta declaração o atestado do médico não será tomado em devida conta.
6. COMPORTAMENTO DO PESSOAL NO CINEMA
(a)Tem-se verificado que, por vozes, as praças que assistem às sessões de cinema não mantêm a devida compostura, tomando atitudes em que é evidente a falta educação e disciplina.
(b)Embora no cinema se desenrole uma actividade puramente de carácter recreativa, onde portanto á permitido um certo à vontade, não se devo esquecer a presença de superiores de todas as hierarquias, o respeito que lhes é devido e as deferências a que têm direito (nº.2 do artº. 4º. do R.D.M.) e também a presença de famílias de militares.
(c)Recomenda-se pois a todo o pessoal, que se comporte com dignidade, evitando vozearia, comentários em voz alta, atitudes incorrectas, etc. Tem-se verificado que casos destes acontecem com frequência sempre que;
(1) É interrompida a passagem do filme devido à falta de energia eléctrica ou a partir-se a película. Sendo este facto provocado por deficiências técnicas, não é lógico, além de anti-regulamentar, qualquer manifestação de desagrado para com o pessoal que voluntáriamente
colabora nas operações de projecção.

(d) Continuam em vigor as seguintes normas:
(1) Não é permitido fumar dentro da sala de projecção.

(2) Não é permitida a prática de qualquer actividade desportiva no mesmo local.
(3) O pessoal que frequenta o cinema deve apresentar-se devidamente uniformizado ou decentemente vestido quando fizer uso de traje civil (nº. 11 do artº. 4º, do R.D.M.)

(4) Todo o pessoal deve colaborar para que o edifício seja conservado limpo e em bom estado de conservação, bem como o mobiliário(em especial as cadeiras) que exige dos serviços respectivos da Base um sério esforço do manutenção, tanto em mão de obra como em material.
(5) Qualquer ordem ou indicação do pessoal responsável pela manutenção da ordem deve ser imediatamente acatada pelos frequentadores. 
(e) O Oficial de Dia deve nomear um Oficial de Prevenção para assistir a cada sessão. 
(f) Todos oe graduados devem colaborar na fiscalização, comunicando superiormente qualquer manifestação de indisciplina que será rigorosamente punida.
7. IDENTIFICAÇÃO DO PESSOAL (O.S. 263 DA BA2 DE 7DEZ64)
(a) Dado o elevado número de militares e civis nesta Unidade, o que impede a sua rápida identificação, passa-se a adoptar um processo que permite saber imediatamente, à vista, a identidade de cada um dos militares ou em diligência na Unidade.
(b) O processo de identificação é constituído por uma placa de material plástico(branco) com as dimensões de 7x1,8 cm sobre a qual se coloca uma fita colorida contendo o número e apelido. No caso de Oficiais e Sargentos só consta o posto e o apelido.

(c) As fitas têm as seguintes cores :
Oficiais - vermelho com tarja dourada 
Oficiais Alunos - vermelho
Sargentos - verde com tarja dourada 
Sargentos Alunos - verde
Cabos Especialistas - castanho com tarja dourada 
Cabos Alunos - castanho
Soldados Alunos - castanho
Soldados Recrutas - castanho
Cabos da P.A. - azul
Soldados da P.A. - azul 
d) As placas de identificação são colocadas sobre o lado direito imediatamente acima do bolso da camisa, blusão, dólman ou casaco e o seu uso é obrigatório no interior da Unidade dentro e fora do serviço, sob pena de sanção disciplinar.No exterior da Unidade o sou uso é expressamente interdito.
8. BILHETES DE IDENTIDADE
Todo o pessoal que presta serviço na BA2 é obrigado a trazer consigo o respectivo Bilhete de Identidade, tanto dentro como fora da Unidade.
9. TRÂNSITO POR PROPRIEDADES
(a) É expressamente proibido:
(1) Transitar através do propriedades ou terrenos particulares nas proximidades da Base
(2) Colher fruta nos mesmos locais.
(3) Transitar pelos terrenos pertencentes è Base nomeadamente nos bairros de Oficiais e Sargentos, Exploração Agrícola, Pista, etc, ás praças que não tenham serviços a desempenhar nos referidos locais.
(4) Repousar nos terrenos arborizados que circundam a Base, especialmente junto aos bairros de Oficiais e Sargentos.
(b) Todas as infracções a esta determinação serão rígorosanente punidas.
(c) Recomenda-se aos graduados e em especial ao pessoal de serviço e da Policia Aérea que fiscalizem o seu cumprimento.
10. FORMATURAS
As formaturas exigem pontualidade absoluta, aprumo, apresentação e correcção impecável .
Ao toque de formar, qualquer que seja a formatura, o pessoal deve formar imediatamente, para o que já deverá encontrar-se perto do local da respectiva formatura, partindo para esta na cadência de acelerado. Em dias de chuva, as formaturas poderão efectuar-se sob o alpendre junto das camaratas.
11. TOQUES 
Existem toques com diversas finalidades. Todos eles exigem acção imediata.
Além dos respeitantes às formaturas e horário, os Recrutas devem
desde o 1° dia conhecer também os dois toques seguintes.
Toque de alvorada e toque de silêncio.
O toque de alvorada implica o levantar da cama imediato. O toque de silêncio a absoluta proibição de vaguear pelo Aquartelamento.
12.  DISPENSAS 
a. DE RECOLHER
Aos Sábados, Domingos, vésperas de feriados e feriados, todos os que os Comandantes determinarem.
b. DE FORMATURAS
Poderão ser concedidas dispensas de formaturas desde as 17H00 de sexta feira até hás 1H00 de segunda feira.
c. DE INSTRUÇÃO
Os Recrutas só podem ser dispensados de qualquer tempo de instrução pelo COMANDANTE DA ESQUADRA.
§ Único (Todas as pretensões deverão seguir as vias competentes COMANDANTE DE SECÇÃO - COMANDANTE DA ESQUADRILHA - COMANDANTE DA FORMAÇÃO - COMANDANTE DA ESQUADRA).
13. REVISTA DIÁRIA
Além das revistas marcadas com antecedência, os Recrutas estão sujeitos pelo menos às seguintes revistas diárias passadas pelo snr, Oficial de Dia e pessoal de serviço:
a. Depois do toque de alvorada, a fim de verificar que todas 
praças estão levantadas.
b. Depois do toque de silêncio, a fim de verificar que todas praças pernoitam no Quartel, no local apropriado, e mantêm o silêncio.
14- DETIDOS E CONVALESCENTES
As praças detidas e consideradas convalescentes são Inseparáveis do Quartel, devendo formar sempre que se execute o toque de "DETIDOS" e "CONVALESCENTES".
Esta formatura será feita sob o Comando do Cabo de Dia à Esquadra. As faltas por desastre em serviço só dão origem a convalescença, mediante proposta médica. Os Recrutas na situação de convalescentes, assistem a todas as instruções de carácter teórico e, embora assistam às de carácter prático, nelas nâo tomam parte activa.
15. A SAíDA DO AQUARTELAMENTO
Os Recrutas só poderão sair do Aquartelamento, sem autorização especial nos seguintes casos:
a. Nos dias úteis durante o tempo compreendido entre o toque de Ordem e a 3ª. Refeição, e entre esta e o início da formatura de recolher.
b. Aos domingos e dias feriados, desde a alvorada ao recolher, devendo comparecer às formaturas de que não estejam dispensados.
16. TRAJE CIVIL
O uso de fato civil é proibido, salvo quando no gozo de licença por período superior a 48 horas, mesmo nesta situação, não é autorizada a entrada ou saída do Quartel trajando civilmente.
17. PASSEIOS NAS ESTRADAS
Quando caminhando pelas estradas deve-se sempre fazê-lo junto das bermas.
Deve evitar-se formar grandes frentes, especialmente de noite, quando caminhando em grupos, optando-se pela fila indiana.
18. BOLEIAS 
É expressamente proibido a todo o pessoal militar pedir passagem em veículos civis e militares. As infracções a esta determinação implicam sanções rigorosas.
19. TRANSPORTES
O Transporte para Vila Franca do Xira e Lisboa, aos fins de semana, é assegurado pela Empresa de Camionagem CLARAS com o seguinte horário:
Saída da Base - Sextas-feiras às 17H15.
Regresso à Base - Segundas Feiras às 1H00, da Praça do Marquês do Pombal, em Lisboa.
O pagamento e recepção de bilhetes, são efectuados na Cantina da Base, das 9H00 de 4ª feira até ás 10H00 de 6ª. feira.
Os preços (ida e volta) são os seguintes:
Base/Vila Franca de Xira - 10$00
Base/Lisboa - 20$00
NOTA- Estes transportes são ajustáveis às necessidades dos alunos pelo que são alterados quando tal se julgar necessário. (Feriados e Licenças de Férias)
20. CORRESPONDÊNCIA
Toda a correspondência deve ser endereçada do seguinte modo:
NOME............
SOLDADO ALUNO RECRUTA Nº....../....da.... ESQUADRILHA 
ESQUADRA DE INSTRUÇÃO DE RECRUTAS
Base Aérea n. 2 OTA.
21. DOENÇAS VENÉREAS
a. Está determinado, para defesa da própria saúde, que todos os militares após relações sexuais ilícitas, façam uso do Posto Anti-Venéreo, seguindo minuciosamente as instruções afixadas no mesmo Posto. 
b. A manifestação de doenças venéreas expõe os militares a rigorosas sanções disciplinares, sempre que se prove não ter sido feita a conveniente desinfecçáo no Posto Antí-Venéreo.
c. Taís sanções seráo evitadas com evidentes benefícios para a saúde do militar, que ao utilizar o Posto, inscreve o seu número no registo próprio nele existente, anotando a data e a hora em que procedeu à necessária desinfecção.
22. VIATURAS PARTICULARES 
a. ENTRADA NA UNIDADE
Não são autorizadas a ultrapassar o estacionamento da entrada junto  à cancela da Polícia, às viaturas que não exibam no canto direito do párabrisas, a autorização de entrada e circulação na Base.
b. CIRCULAÇÃO
É expressamente proibida a circulação de qualquer viatura,nos caminhos de acesso à Pista e na mesma sem autorização prévia da Torre de Controlo.
c. ESTACIONAMENTO
O estacionamento de qualquer meio de transporte só é permitido na área reservada para esse efeito, situada entre o muro Sul do Aquartelamento e as instalações das Esquadras de Pessoal, de Instruendos e de Recrutas.

23. NORMAS PRESCRITAS E RECOMENDAÇÕES
a. Todos os Recrutas devem obediência aos seus camaradas nomeados para exercer funções do Comando ou Direcção em quaisquer formaturas ou trabalhos.
b. Todo o pessoal é monetária e discipllnarmente responsável pelos estragos que fizer, competindo-lho dar imediato conhecimento dos danos que provocar ou presenciar.
c. Não é permitida a posse de armas, publicações alusivas das instituições Militares ou Civis, publicações pornográficas, bebidas, aparelhos elétricos, artigos próprios para jogos e outros que estejam proibidos pelas leis e regulamentes em vigor.
d. Recomenda-se a conveniência de guardar no uniformo em uso,o dinheiro, joias e outros objactos de valor estimativo ou monotário. Em todas as circunstâncias, é aconselhável que esses valores sejam entregues ao Comandante da Formação da E.I.R. que os arrecadará em cofre.
e. Recomenda-se a todo o possoal que deverá ter redobrado cuidado na conservação, utilização e limpeza do Aquartelamento e de todo o material.
f.  Recomenda-se que há todo o interesse em manter as melhores relações com a população civil, e portanto, evitar a invasão da propriedade particular e nela provocar quaisquer distúrbios do ordem moral ou material, evitando-se assim as consequentes reclamações e apreciações que de nenhum modo podem prestigiar os elementos Militares.
24. ELIMINAÇÕESOs Soldados Alunos Recrutas serão eliminados nas seguintes circunstancias: 

a. POR FALTAS
Desde que as faltas atinjam ou excedam 10(dez) dias e se verificar a impossibilidade dos Recrutas adquirirem  os conhecimentos e treino necessários para serem considerados aptos.
b. POR MAU COMPORTAMENTO
Desde que as penas perfaçam 10 (dez) dias de detenção.
Quando se revele deficiência mental, falta do aprumo militar ou de desembaraço físico.

Quartel em Ota, 20 de janeiro de I969.
O COMANDANTE DA ESQUADRA DE INSTRUÇÃO DE RECRUTAS
Fernando Lopes Baldaque - Major

terça-feira, 15 de maio de 2018

OS SESSENTA

No louco frenesi daqueles anos, explodia a liberdade acorrentada pelo formalismo hirto dos pós guerra.
SARTRE, DALI, PICASSO e GAUDI

Sartre acordava mentes, Dali e Picasso riam-se dos cânones, Gaudi e Montaner tinham proposto roturas absolutas com a linearidade da arquitectura novecentista, nas ruas de Paris as barricadas de 68 exigiam abertura, liberdade, evolução, justiça social e outras bandeiras.
O Vietname tinha-se tornado numa dramática e intolerável bandeira antiamericana, John e Robert Kennedy tinham sido assassinados, assim como Luther King e Malcom X, Che e Fidel tinham-se libertado de Fulgêncio Batista, Franco (nunca lhe perdoei a barbaridade medieva aplicada a Garmendia e Otaegui) e Salazar enfrentavam a contestação crescente com perseguições, prisões, censura, torturas e mortes.
KENNEDY, LUTHER KING, CHE e DELGADO   
Por cá, Dias Coelho tombava no Calvário às mãos de esbirros do regime, Delgado era atraído e assassinado por Rosa Casaco, Sena (e tantos outros) pressentia a detenção e fugia para o Brasil, a radio repetia incessantemente hinos feitos à pressa, "Angola é nossa, gritarei...", acontecia a Capela do Rato, Felicidade Alves escandalizava Thomaz e Gertrudes com homilias incendiárias, "Ultramar" tinha-se tornado numa palavra simultaneamente sagrada e maldita num país dividido pela ignorância intencional, onde democracia e liberdade eram palavras proscritas, proibidas, censuradas, mares de lenços brancos viam milhares de jovens esperanças esfumarem-se em navios para lá do Bugio, os corredores da cidade Universitária assistiam às convulsões de 62 e 69.
A América latina era um ninho de ditaduras sanguinárias e refúgio privilegiado de líderes e criminosos nazis, e o apartheid continuava a gerar massacres inenarráveis…

A "intervenção" manifestava-se (também) na música com Dylan e Baez, Buarque, Brassens, Moustaki. Por cá, ouvia-se quase às escondidas Zeca, Fanhais, Adriano, José Jorge Letria, Manuel Freire, e outros.
A poesia de Manuel Alegre denunciava a prisão e a amputação da palavra.
Já se tinha passado por Woodstock, pelo Flower Power, pelo Black Power, pelo "amor livre", sonhávamos viajar de chopper com Peter Fonda e Dennis Hopper em "Easy Rider", os movimentos de libertação da mulher organizavam-se, os códigos de comportamento sacudiam naftalinas, hábitos, costumes e limites viam alargar-se fronteiras, a ânsia de mudança gerava angústias sem direcção, refúgios no álcool e em drogas, em todo o tipo de excessos, pululavam movimentos libertários, muitos deles pouco consistentes e sem um norte concreto.
Era a louca e marcante década de 60, rastilho de todas as evoluções, revoluções, contestações.
E é neste caldo contestatário que Janis, exótica, provocadora, boémia e carismática, canta "hinos" de amor e revolta, que marcaram a quase totalidade da geração que viveu as décadas de sessenta e início de setenta.
Os excessos dela deram voz a milhões de ânsias mal contidas.
Para completar o quadro de "star" dos jovens, seguindo a filosofia "Live fast, die young", desapareceu em 70 com uma overdose de heroína, aos 27 anos.
A "Pearl" deixou-nos pérolas inesquecíveis, "Piece of my heart", "Rose", "Me and Bobby McGee", "Mercedes Benz", e........”Cry baby”!

ver:
Por:fpb/2015